Agiotas já pressionam políticos vitoriosos e derrotados, em Alagoas

i

Há exceções, mas em regra a política é feita de uma série de fatores. No campo da busca pelo voto a logística, que podemos chamar de esquema, funciona mais ou menos assim:

Chefe: candidato

Diretor: cabo eleitoral (também chamado de ponteiro)

Empregado: eleitor (aquele que vende o voto, é claro)

Agiota: Epa!

Isso mesmo! Em toda eleição a figura do agiota está sempre presente. E eles são venais. Emprestam R$ 10 mil e pedem o dobro como garantia. Como o chefe não tem o dinheiro, oferece um bem, que às vezes chega a três vezes o valor solicitado. É um tipo de negócio, onde o agiota prefere que o chefe não pague.

Geralmente o esquema funciona assim:

O chefe precisa de votos para vencer e escala o diretor para contratar o empregado. Com o fim do financiamento de campanha através de pessoas jurídicas (pelo menos de forma oficial) os agiotas (também de forma extra-oficial) nunca foram tão solicitados. Eles resolveram o problema de muita gente.

Para os candidatos que venceram a eleição, seja para vereador ou prefeito, a conta será paga em até 48 prestações, ou seja: durante todo o mandato. Na próxima eleição o financiamento é, novamente, solicitado. É o preço pelo poder.

Já os candidatos que perderam as eleições, certamente também perderão o sossego. É que eles apostavam na vitória e a garantia – geralmente em dobro – havia sido dada apenas como forma de arrecadar os valores necessários para que a eleição fosse tranquila, pelo menos no quesito dinheiro.

Mas é aí onde a porca torce o rabo. Agiota é uma espécie sem coração. É uma máquina capitalista que não sai do ar. “Se não pagar o cara toma tudo”. Foi o que me disse um vereador derrotado aqui na capital. O detalhe é que ele apostou muito e teve o sonho do mandato frustrado nas urnas.

Para você ter uma ideia, o agiota que liberou o dinheiro pediu o dobro em troca – com garantia real – e ainda exigiu um cargo em comissão na Câmara, caso o chefe (candidato) vencesse a eleição.

Bem… os agiotas só existem porque há quem peça. Para o agiota a frase O COMBINADO NÃO É CARO é o que está valendo. Se pediu, pague.

PS>: Além da Lei da Usura, a prática da agiotagem é considerada crime também pela Lei nº 1.521/51, que estabelece pena de detenção de seis meses a dois anos.

E aí, denuncia ou paga?

Wadson Régis – al1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *