Prass não isenta arbitragem, mas faz autocrítica ao descontrole alviverde

427

Tão logo o apito final soou na Vila Belmiro, a delegação do Palmeiras se dirigiu à imprensa para criticar a arbitragem de Luiz Flavio de Oliveira na derrota por 1 a 0 diante do Santos. No dia seguinte ao primeiro jogo da final da Copa do Brasil, o goleiro Fernando Prass manteve as reclamações, mas aproveitou para fazer uma autocrítica acerca do desequilíbrio emocional alviverde.

“Uma coisa que a gente tem que fazer, e eu volto a fazer a autocrítica, não adianta só olhar para a arbitragem. Tem que olhar para a gente também. Assim como eles não podem encobrir os erros, a gente não pode vir aqui e dizer que é normal haver descontrole. Uma coisa é o arbitro errar, outra coisa é a gente ter uma reação intempestiva na partida e se prejudicar mais”, apontou.

O protesto do Verdão parte de um pênalti não marcado sobre o atacante Lucas Barrios aos cinco minutos do segundo tempo. O Palmeiras alega que o argentino naturalizado paraguaio teria sido vítima de um toque do zagueiro David Braz. “É muito difícil olhar aquela imagem e não ver o toque do David Braz na perna do Barrios. Longe de querer justificar uma má atuação nossa, mas eu não posso ser hipócrita e dizer que isso não influencia. Eu não posso justificar a minha derrota e o árbitro não pode justificar o erro com uma má atuação nossa”, desabafou.

O segundo e decisivo confronto da Copa do Brasil ocorrerá na próxima quarta-feira, às 22 horas (de Brasília), com ingressos esgotados no Palestra Itália. Desta vez, o palmeirense espera não ter motivos para criticar o trabalho da arbitragem. “Os erros acontecem contra todos. É claro que às vezes eles ocorrem em uma sequência maior ou menor contra um ou outro clube, e em um jogo decisivo da Copa do Brasil isso pode fazer a diferença, é muito subjetivo”, prosseguiu o arqueiro.

“É sempre ruim falar de arbitragem. Depois de uma final de Copa do Brasil entre Palmeiras e Santos, o ideal era falar do que aconteceu no jogo. Mas não tem como não falar de arbitragem com aquele lance aos cinco minutos do segundo tempo, e ainda a expulsão do jogador [Lucas]”, lamentou.

Fonte – Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *