Taxas de aprovação da rede estadual crescem até 24% e superam média alagoana

A rede estadual de Alagoas teve crescimento de até 24,45% nas taxas de aprovação nos últimos quatro anos. Segundo dados divulgados pela Fundação Roberto Marinho, a partir de informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a rede estadual alagoana registrou crescimento de 24,45% nos anos finais do ensino fundamental (6º ao 9º anos), subindo 16,7 pontos percentuais – de 68,3% em 2014 para 85% em 2018.

Já no ensino médio, o crescimento foi de 14,85%, com a taxa de aprovação passando de 70,7 % em 2014 para 81,2% em 2018. De acordo com o levantamento da Fundação Roberto Marinho, Alagoas teve o maior crescimento do país na taxa de aprovação dos anos finais na rede estadual e o terceiro melhor crescimento na taxa de aprovação no ensino médio.Os números superam, inclusive, a média do estado de Alagoas, que soma os rendimentos de todas as redes de ensino (estadual, municipal, federal e particular).

 Na publicação da Fundação Roberto Marinho, em Alagoas, a taxa de aprovação era de 81,1% no ensino fundamental (anos iniciais e finais) no ano de 2014, passando para 89,4% em 2018, um aumento de 10,23%. Já no ensino médio, o crescimento foi de 11,97%, passando de 74,3% em 2014 para 83,2% em 2018.

Ações – Estes resultados podem ser atribuídos aos esforços empreendidos no Programa Escola 10, que consiste no regime de colaboração entre Estado e municípios. O programa, implantado em 2018, tornou-se lei em 2018 e permite que o Estado dê apoio pedagógico e financeiro às prefeituras que façam a adesão.

A Secretaria de Estado da Educação também criou a função de articulador de ensino para as redes estadual e municipal. Este profissional é responsável pela elaboração do diagnóstico do ensino-aprendizagem da escola e atua nas principais dificuldades. O controle de faltas dos estudantes é acompanhado de perto e as famílias são acionadas sempre que necessário.

Nas escolas estaduais, além desse acompanhamento pedagógico, foi estimulado o protagonismo juvenil, a reativação dos grêmios, além de investimento na recuperação da infraestrutura das unidades de ensino. Mais de 50%, das 310 escolas da rede estadual, foram reformadas desde 2015. E todas as unidades da rede recebem recursos para manutenção e aquisição de equipamentos, por meio do programa Escola da Hora. O investimento em ginásios esportivos também é outro ponto de atenção. Até 2015, existiam 32 quadras cobertas e muitas sem funcionar por falta de manutenção. Nesse período, foram construídos 54 ginásios e outros 19 foram praticamente reconstruídos. Vale ressaltar que a rede estadual conta atualmente com 53 escolas de ensino integral. Não havia nenhuma até 2015.

Ascom – 25/05/2019