Tricotilomania: médicos tiram bola de pelo gigante do estômago de uma mulher

tricotilomania

Uma mulher de 38 anos, que estava sofrendo com prisão de ventre e aumento abdominal, foi hospitalizada após vomitar e ter inchaço no corpo. Os médicos descobriram que a causa do problema era uma bola de pelo gigante. Ela tinha perdido o apetite há um ano, o que de acordo com os médicos, a deixou cansada e com aparência pálida. Depois dos exames, os cirurgiões começaram rapidamente o trabalho de remoção.

Os especialistas descobriram uma bola de pelo em seu estômago, no tamanho de um melão e com uma “cauda” localizada no seu intestino. No total, a bola tinha 15,24 por 10,16 cm.

A mulher foi diagnosticada com Síndrome de Rapunzel, uma condição rara em que uma bola de pelo é encontrada no estômago, com a sua cauda no cólon. Batizada em homenagem ao personagem, ela está associada à Tricotilomania – uma vontade irresistível de puxar ou comer o cabelo. Após a cirurgia, ela teve alta em seis dias e agora fará tratamento com psiquiatra e nutricionista.

Além de relatar sobre este caso, o grupo de médicos dos EUA avaliou 88 casos de Síndrome de Rapunzel, destacando a raridade da doença. Eles descobriram que a condição é mais comum em crianças e adolescentes e está associada a um distúrbio psiquiátrico subjacente.

Síndrome de Rapunzel

É uma rara condição em que bolas de pelo são encontradas no trato digestivo após uma pessoa ingerir seu próprio cabelo. Encontra-se predominantemente em pessoas jovens com dificuldades de aprendizagem ou são emocionalmente perturbadas. A maioria das bolas de pelo em crianças é do cabelo da cabeça, bonecas ou escovas.

Bolas de pelo são acumulações de fibras humanas ou vegetais que se localizam no trato gastrointestinal. Elas provocam inchaço porque o cabelo e a fibra não são absorvidos. Além disso, causam dor abdominal e náuseas.

Segundo os especialistas, é possível que os pacientes tenham a bola de pelo no corpo sem apresentar sintomas, porém, o caso pode progredir, obstruindo o estômago e o intestino.

jornalciencia

12/10/16

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *